AGROECOLOGIA

III Encontro Tocantinense de Agroecologia será realizado na aldeia Cipozal

      As condições precárias e a manutenção das estradas vicinais de acesso à aldeia Patizal, não foram resolvidas a tempo e o III Encontro Tocantinense de Agroecologia, não será mais realizado naquela comunidade, conforme ficou decidido. 
       Entre os dias 05 a 11 de novembro de 2017, após avaliação das condições daquelas estradas, as lideranças Apinajé e parceiros do CIMI, que fazem parte da Comissão Organizadora em comum acordo decidiram que o Encontro será realizado na aldeia Cipozal na data prevista, ou seja, nos dias 23 a 26 de novembro de 2017. 
      Na semana passada as lideranças Apinajé e membros da Comissão Organizadora do Encontro tentaram uma conversa com prefeito Paulo Gomes de Sousa para solicitar recuperação do trecho mais critico da estrada, mas foram informados que o mesmo estava viajando. Na conversa que tiveram com o Sr. Salomão, secretario de Agricultura, o mesmo afirmou que a prioridade do município são as estradas da região da aldeia São José.
       Até o momento o CIMI, COEQTO, MAB, MST, EFA, FETAET, MIQCB, COMSAUDE, CPT, APA-TO, COOPTER, confirmaram presenças. Além dessas organizações sociais, indigenistas e camponesas, lideranças indígenas representantes dos povos Xerente, Carajá Xambioá e Krahô estão sendo esperadas no III Encontro Tocantinense de Agroecologia.
       Os serviços de organização da estrutura na aldeia Cipozal estão em andamento. Acreditamos que até o dia 20/11, tudo estará pronto para receber os mais de 300 participantes do Encontro. O povo Apinajé, está feliz em acolher os amigos e parceiros nesse grande evento. Confira abaixo mais informações sobre o III Encontro Tocantinense de Agroecologia.



CONVITE E ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO


Seguindo o caminho de conhecer e reconhecer as diferentes formas de expressões da agroecologia desenvolvidos em diferentes territórios do Tocantins pelos/as camponeses/as, agricultores/as familiares, comunidades e populações tradicionais, povos indígenas, a Articulação Tocantinense de Agroecologia (ATA) os/as convida para participar do III Encontro Tocantinense de Agroecologia que  ocorrerá entre os dias 23 a 26 de Novembro de 201,  na Aldeia Cipozal, no Território Indígena Apinajé,  no município de Tocantinópolis 

Este encontro que prevê a participação de aproximadamente de 300 pessoas de todas as regiões do Tocantins ligadas as organizações envolvidas na construção da agroecologia, tem como objetivos: (I) Fortalecer a articulação entre os povos originários, comunidades tradicionais e camponeses que atuam no campo agroecológico e consolidar as estratégias de atuação da ATA; (II) Promover a divulgação e a troca de conhecimento das práticas agroecológicas e; (III) Reafirmar a importância da agroecologia, em contraposição ao agronegócio, como base para a garantia da soberania e segurança alimentar, produção sustentável e promoção da economia ecológica, popular e solidária. 
A construção deste encontro tem sido coletiva e a organização do evento está sob a responsabilidade da Associação PEMPXÀ, APA-TO, CIMI, COEQTO, COMSAUDE, CPT, COOPTER, EFA de Porto Nacional, FETAET, MIQCB, MAB, MST e UNMP-TO.


Programação

Período/ Dia
23/11/17 (Quinta Feira)
24/11/17 (Sexta Feira)
25/11/17 (Sábado)
26/11/17 (Domingo)
Manhã:  acolhida 

Mesa de abertura:

Apresentação do Território Indígena Apinajé:  História de luta e resistência e a cultura do bem viver e sua relação com a Agroecologia. 

Visita para conhecer e sentir os ambientes da Aldeia Cipozal

Cantoria com o Povo Krahô e outros

Roda de troca de sementes e produtos

Oficinas temáticas: 

Falas sobre estratégias para o Bem Viver pelos Povos Indígenas, Quilombolas, Quebradeiras de coco, Camponês 

Aprovação Carta Política do Encontro 

Encaminhamentos finais

Encerramento 


Período/ Dia
23/11/17 (Quinta Feira)
24/11/17 (Sexta Feira)
25/11/17 (Sábado)
26/11/17 (Domingo)
Tarde Chegada dos participantes e inscrição 
Painel: Realidades dos Direitos Territoriais e do Bem Viver das Populações Tradicionais e Camponesa (quebradeiras de coco, indígenas, quilombolas e movimento camponês)

Análise de conjuntura: Terra e Território   Alfredo Wagner Silvio Porto

Momento de integração:  Brincadeira de arco e flecha

Apresentação das discussões das oficinas

Palestra sobre a importância da agroecologia para a promoção do bem viver dos povos e comunidades tradicionais
Feira agroecológica e expressão cultural do artesanato.

Tenda do artesanato: Confecção de artesanatos diversos

Noite:   Cinema agroecológico

Noite cultural:?

Distribuição das vagas: As organizações mobilizadoras deverão mobilizar os/as participantes considerando o número de vagas previstas e o perfil do público.

Organização mobilizadora

Nº de participantes: 285

Responsável: CIMI (Povo Apinajé, Xerente e Krahô) 120 Laudovina, COEQTO20 Cida, MAB 15 Maria e Augustinho, MST 15 Marcos, EFA Bico 10 Sineide, EFA Porto 10 Elisa,EFA São Salvador 10 Cirineu, FETAET 15 Antônio de Sá, MIQCB 15 Socorro, CPT 15 Evandro e Felipe, Matinha 5 Valdivino, APA-TO 15 Yuki, COOPTER  15 Juraildes. Outros; 5 Paulão.  Total participante 285.

RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES: Estar aberto a vivenciar a realidade e a forma de vida do Povo Indígena Apinajé é um ponto que está intrínseco na metodologia de todo o evento. Por isso, é muito importante que as organizações mobilizadoras, orientem os/as participantes que estão inscritos para participar do encontro.  

No encontro pretendemos “misturar os sabores” da comida do povo Apinajécom a dos camponeses, durante o preparo da alimentação, por isso o sabor será único e não comum ao que estamos acostumados,
E para garantir o bom andamento do encontro, recomendamos que quaisquer tipos de BEBIDAS ALCÓOLICAS não sejam trazidos para o evento pelos/as participantes.

Critérios de participação: Cada organização mobilizadora ficará responsável de mobilizar e organizar os/as participantes.  Deverão ser respeitados os critérios da composição dos participantes definidos pela comissão organizadora, sendo 80% de agricultores/as familiares, camponeses/as, povos indígenas e tradicionais e 20% assessores/as, pesquisadores/as e professores/as, buscando garantir pelo menos 50% de mulheres e 30% de jovens. Participação de crianças: haverá atividades paralelas destinadas para as crianças. Por isso, cada pessoa inscrita deverá informar na ficha de inscrição se levará crianças para o encontro. 

Prazos e Inscrição dos (as) participantes: O prazo para inscrição é até dia 27/10/2017 e a organização mobilizadora deverá enviar apenas a ficha síntese (em Excell) para o e-mail: yuki@apato.org.br, atentar-se para enviar todas as informações exigidas na ficha, com destaque para os dados de RG e CPF do participante para agilizar organização dos ônibus. Será considerado inscrito apenas as pessoas que enviarem a ficha de inscrição para a comissão organizadora. Após esta data as vagas não preenchidas serão redistribuídas entre as organizações antenas.


Inscrição nas Oficinas: Na ficha o/a participante deverá definir em qual oficina pretende participar, ressaltando que é um pré-inscrição, porque há um número limitado de vagas por oficina. Caso haja um número superior de inscritos em determinada oficina, o/a participante será convidado a escolher uma outra oficina, no ato da inscrição no evento, quando ocorrerá a confirmação em qual oficina irá participar. Especificamente, a oficina “Instrumentos de comunicação como alternativa para monitoramento do território e direitos”, a distribuição de vagas já está definida, sendo 7 para os povos indígenas e 8 para demais públicos. 

Transporte:As despesas de deslocamento dos (as) participantes da sua comunidade até a local do ônibus é de responsabilidade da organização a que pertence. O itinerário dos ônibus será definido após a inscrição dos/as participantes e será informado pelas organizações antena com antecedência. As organizações antenas que articularão seu próprio transporte, orientamos que dê preferência a vans, micro-ônibus e ônibus simples, em função das condições de estrada.


Alimentação e hospedagem:  A alimentação durante a viagem é de responsabilidade de cada organização antena ou participante.  Por isso, orientamos que cada participante traga o seu “frito”. A comissão organizadora assumirá as despesas de alimentação e hospedagem durante o evento. Cada participante deverá trazer o seu kit alimentação: colher, prato e copo. A hospedagem será na escola (poucos lugares), no galpão de palha ou em barracas de camping. Por isso, levar de preferência colchão, rede e corda ou barraca de camping.  


Materiais e produtos para troca e feirinha. Não deixem de trazer! As organizações e os/as participantes poderão trazer faixas, cartazes, instrumentos musicais, pinturas, fotografias, poesias, estandartes etc. Os/as participantes também devem se organizar para trazer sementes e mudas em bom estado de conservação para os momentos de troca e produtos para a feira. Os/as participantes terão disponíveis barracas simples para expor os seus produtos durante o encontro.Para as apresentações culturais: instrumentos musicais, roupas, material de teatro, poesia, música e dança.

Os artesões e artesãs: Os artesões e artesãs que quiseram fazer uma demonstração de como se confecciona o seu artesanato, haverá um espaço e um momento específico para isso.



Aldeia Cipozal, 13 de novembro de 2017



Associação União das Aldeias Apinajé - Pempxà

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POVO APINAJÉ DE LUTO

VII ASSEMBLEIA DA PEMPXÀ

MANIFESTO DO POVO APINAJÉ